Notícias

PARNA Iguaçu Sediou a Oficina Técnica de Monitoramento dos Contratos de Concessão

Fiscais e gestores dos contratos de concessão existentes, analistas e técnicos de Unidades de Conservação em processo de concessão, além de servidores da CGFIN/COARR e CONCES e outros parceiros, se reuniram entre os dias 8 e 10 de novembro, no Parque Nacional de Iguaçu (PR), para realizar a Oficina Técnica de Monitoramento dos Contratos de Concessão. Participaram da abertura do evento o presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, e o Coordenador Geral de Uso Público e Negócios do ICMBio, Pedro de Castro da Cunha e Menezes.

Durante a oficina, os participantes tiveram a oportunidade de trocar experiências sobre os principais desafios no monitoramento dos contratos de concessão, compreender a visão dos concessionários sobre o trabalho de acompanhamento das concessões, e participar de trabalho em campo, avaliando a atuação de serviços de concessionários operantes no PARNA Iguaçu. Além disso, foi dado continuidade ao processo de padronização de procedimentos de monitoramento e ainda discutidos fluxos e modelagens do processo com vistas à normatização específica.

De acordo com a Analista Ambiental, Larissa Diehl, a oficina cumpriu com o seu objetivo de contribuir para o amadurecimento dos processos de monitoramento, permitir trocas de experiências, e buscar desenvolver e padronizar uma metodologia eficiente de atuação para fiscais e gestores, que garanta o cumprimento dos contratos:

– A oficina foi um momento necessário que permitiu unir os principais atores do processo de monitoramento, identificar gargalos, e dar continuidade à construção e padronização de um Protocolo de Monitoramento das concessões que garanta maior efetividade e clareza no acompanhamento dos contratos, com foco nos resultados e na melhor qualidade dos serviços a serem prestados ao visitante, explicou Larissa.

O evento foi custeado com recursos do BID/FOMIN e FSA/CEF e faz parte do Projeto de Parcerias Ambientais Público-Privadas – PAPP, que visa formular e fomentar a aplicação de modelos de parcerias ambientais público-privadas.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
0 comentários ‹ Voltar

Você precisa fazer o para publicar um comentário.

Aguarde...